Conheça agora as ideias e principais propostas da Chapa SANTOS VIVO e de seu candidato JOSÉ CARLOS PERES para as próximas eleições do SANTOS FC.

HORA DE MUDAR PRA VALER

Partimos do princípio de que nenhum grupo de sócios que almejou governar os destinos de um clube tão especial e tão imenso como o Santos Futebol Clube, tenha agido com objetivos escusos. Acreditamos nas boas intenções das gestões que nos antecedem. Mas não podemos fechar os olhos à terrível situação do clube, conseqüência de anos e anos de administrações nebulosas, confusas, amadoras e nocivas ao nosso Santos.

A verdade é que, neste momento, o Santos não pode mais errar. Você não pode mais errar. O seu voto não pode mais ser dado apenas por uma questão de simpatia, amizade, ou mesmo bairrismo. Os limites geográficos não podem impedir a expansão do Santos para os voos que ele pode e precisa dar. O Santos deve ser gerido por quem tem capacidade e visão para isso.

Temos muito trabalho e um grande sonho pela frente e ele passa, necessariamente, pelo restabelecimento da confiança do sócio e do torcedor, condição essencial para que ele participe ativamente da vida do clube.

Precisamos de um planejamento eficiente e de competência específica para implementá-lo. Nossos problemas não serão solucionados com palavras, por mais belas que sejam. Temos de nos abrir para as melhores ideias, venham de onde vierem, e arregaçar as mangas para realizá-las. Temos de abrir as portas do Santos para todo santista que quiser se envolver nessa luta pela recuperação do clube. Não é hora de discriminar. É hora de unir.

O Santos conquistou um mercado enorme de torcedores no Brasil e no mundo. Mas quantos milhões somos? Onde vivemos? Vamos mapear, pesquisar como realmente se deve, contatar e trabalhar junto com esses milhões de santistas. Eles já foram muito negligenciados. Chega! Mesmo que uma diretoria não possa prometer títulos e a revelação de ao menos um craque por ano como queremos, e trabalharemos duro para isso, ao menos podemos garantir que o torcedor do Santos será tratado com o respeito, a atenção e o carinho que merece. Multiplicaremos os pontos de encontro dos santistas pelo Brasil. Haverá, sempre, um bom motivo para se tornar e continuar sendo santista. E convencer outras pessoas de bem a seguirem o mesmo caminho do branco da paz e do negro da nobreza.

Não basearemos nossa campanha em revanchismo ou falsas promessas. Acreditamos na inteligência e no caráter dos santistas. Sabemos perfeitamente que ele saberá separar o que é melhor e duradouro para o clube do que já se revelou nocivo, passageiro e superficial.

PAPEL REALMENTE ACEITA TUDO, MAS CONFIANÇA, UMA VEZ ROMPIDA, NÃO SE RESTAURA

Você, associado, será bombardeado com propostas e compromissos espetaculares e mirabolantes. Vão tentar convencê-lo de que os grupos (todos eles que já dirigiram o clube num consórcio) terão condições políticas e competência para realizá-las.

Cuidado. Analise de onde vêm as propostas e se quem as propõe realmente tem condições de cumprir o prometido (passado conta muito nessa hora, especialmente porque isso traz à tona o conceito de credibilidade).

Nós somos da Santos Vivo. Temos uma visão clara de como será o pleito de dezembro próximo. Estamos preocupados com o futuro do clube e desejamos o mesmo que todos vocês desejam: um Santos forte, vencedor, equilibrado, superavitário, revelando craques, que ouça o associado e que mereça estar em local de destaque no cenário nacional e internacional.

Como faremos isso?

Sem mágicas ou truques. Com muito trabalho e dedicação, com sua participação, com seu voto, com seu apoio diário e respeitando os compromissos e as diretrizes que passamos a explicitar a seguir.

PRIMEIRO COMPROMISSO

Somos contrários à reeleição e proporemos imediatamente após a posse, a alteração estatutária que a faculta. Como o princípio da anterioridade recomenda que alterações valham para os próximos mandatos, fica desde já consignado que, caso eleito, JOSÉ CARLOS PERES não será candidato à reeleição (eleição de 2017). Não faria sentido defender o fim da reeleição e concorrer ao pleito seguinte, pela lacuna jurídica que se estabeleceria.

SEGUNDO COMPROMISSO

Acreditamos que a experiência representada pela criação do CG (Comitê Gestor) deva cessar o mais rapidamente possível e, nesse sentido, proporemos o retorno ao regime presidencialista. Caso aprovado, os membros do Comitê Gestor do mandato de JOSÉ CARLOS PERES atuarão como integrantes de um Conselho de Administração que estará acima de disputas eleitorais, uma espécie de reserva moral do clube, cuidando das finanças e do planejamento estratégico do clube, sem qualquer interferência direta no trabalho desenvolvido pelo presidente e vice, que exercerão de forma plena a função executiva do dia a dia do clube.

TERCEIRO COMPROMISSO

Eliminação da cláusula de barreira de 20% dos votos válidos para a composição do Conselho Deliberativo, passando a valer o princípio da proporcionalidade absoluta para o CD. É necessário que o CD seja composto por membros de todas as forças políticas do clube, não importando o tamanho das votações que cada grupo alcance. A representatividade ficará mantida em sua absoluta correspondência com os votos dos associados.

QUARTO COMPROMISSO

Ainda que faça parte de nossa plataforma o respeito aos contratos em vigor, nossa responsabilidade como gestores nos impõe uma análise criteriosa sobre a situação legal que encontraremos. Isso fará parte da auditoria que será realizada e, caso encontremos contratos ou negócios escusos ou lesivos ao clube, eles serão questionados e os responsáveis serão acionados na forma dos Estatutos Sociais.

QUINTO COMPROMISSO

Será vedado a todos os conselheiros ter qualquer negócio com o clube. A relação de dependência econômica tolhe a livre manifestação de pensamento e essa situação representa um insuperável conflito de interesses.

SEXTO COMPROMISSO

As boas ideias para o clube serão sempre bem-vindas, venham de onde vierem. Não haverá discriminação de origem. Nesses anos todos, principalmente desde que fundou a ONG Santos Vivo, José Carlos Peres tem tido contato direto com dezenas de milhares de torcedores do Santos. Mais do que ninguém, ele sabe como os santistas não têm sido ouvidos. Foram ignorados pelas últimas gestões. Vamos mudar isso. O santista quer e será ouvido.

Para isso, o clube disponibilizará um canal especial para receber propostas dos sócios e torcedores e escalará profissionais para analisá-las e, caso aprovadas, serão implementadas.

SÉTIMO COMPROMISSO

O Santos não é uma ilha. Ele depende do que ocorre no futebol brasileiro, nas relações dos clubes com o mercado, a TV e o governo. E ele não pode permanecer passivo diante de tudo o que é feito no nosso futebol. Tomaremos clara posição em defesa do clube formador de jogadores – algo essencial para a sobrevivência e o crescimento do futebol no País – sugerindo, ouvindo e apoiando nossos coirmãos para a sugestão de mudanças na Lei Pelé.

OITAVO COMPROMISSO

Também somos favoráveis a uma divisão mais justa e igualitária das cotas de TV, a exemplo do que ocorre em países com campeonatos mais ricos e estáveis do que o nosso, casos de Alemanha e Inglaterra. Julgamos que a competitividade em busca de maior eficiência é o caminho da redenção de nosso futebol. Por isso, defendemos a inclusão do Mérito Esportivo entre os quesitos essenciais para a distribuição da verba da TV aos clubes das Séries A e B do Campeonato Brasileiro e lutaremos incessantemente para que isso ocorra.

NONO COMPROMISSO

Vamos propor ao Conselho Deliberativo e aos sócios do Santos FC que Edson Arantes do Nascimento (Pelé) seja, finalmente, declarado eterno Presidente de Honra do Santos FC, participando e representando, sempre que possível, o clube em todas as ocasiões necessárias.

DÉCIMO COMPROMISSO

Trabalharemos para a criação de uma fundação para ex-atletas do Santos Futebol Clube, identificados com o clube e torcida. Os recursos seriam utilizados inclusive para auxiliar ex-jogadores que estejam em situação difícil, especialmente quanto à assistência à saúde.

NOSSOS PLANOS INICIAIS

Agora que vocês conhecem um pouco mais do que pensamos, apresentamos nosso plano de ação inicial, lembrando sempre que ele não pode ser mais profundo por duas razões básicas. Primeiro, porque não sabemos o que encontraremos ao assumir o clube. Segundo, porque essas ações e planos iniciais deverão passar pelo aprimoramento que, certamente, virá através de workshops, seminários e encontros que pretendemos realizar com todos.

DEMOCRACIA PARTICIPATIVA E A CONSTRUÇÃO COLETIVA DE UM PROJETO COMUM

Entretanto, a título de “um bom começo” nesse processo de discussão e de construção a muitas mãos, oferecemos as ações mínimas que julgamos importantes para reposicionar o nosso clube entre os protagonistas no cenário nacional e mundial e nossa marca entre as mais valiosas do mundo. Esse é o primeiro passo e contamos com sua participação.

PROFISSIONALISMO E RESPONSABILIDADE

a. Seremos profissionais, respeitaremos contratos, cumpriremos acordos firmados. Mas não deixaremos de revisar e, eventualmente, tomar as providências necessárias para que o clube não seja lesado.

b. Teremos como meta a reestruturação, modernização e fortalecimento do clube, em especial no seu organograma e estatuto, de modo a alcançar a governabilidade necessária;

c. Buscaremos a aproximação máxima com os sócios, verdadeiros donos do clube. Isso inclui o voto à distância a ser implementado de forma segura e a participação efetiva dos associados nos assuntos de seu interesse dentro do clube;

d. Instauraremos a efetiva transparência nas contas e nos negócios do clube, que não se limitará à publicidade dos balanços trimestrais e anuais, mas também aos atos importantes de gestão;

e. Praticaremos a responsabilidade orçamentária, com o estabelecimento de tetos de gastos e comprometimento de receitas. Enxugaremos a máquina administrativa com rigor, buscando a máxima eficiência.

f. Integraremos todos os departamentos do clube, informatizando-os, dando mais velocidade e eficácia aos mecanismos de gerência e controle;

g. Fortaleceremos a nossa representação institucional junto aos poderes públicos e privados, junto a entidades desportivas como federações, ligas e demais clubes, assumindo papel de protagonismo e liderança no processo de recuperação e fortalecimento dos clubes de futebol do País;

h. Daremos uso efetivo à Sede II, em São Paulo, para acelerar o relacionamento com o mercado em geral, sobretudo nas áreas de marketing e negócios, além de atender aos sócios residentes na capital e região.

AÇÕES NO FUTEBOL, POIS NOSSA ÚNICA OPÇÃO É VENCER

a. Nossa meta será recompor um time competitivo, alegre e ofensivo – traços da alma santista – sem que isso implique em gastos inconsequentes na formação de elenco e pagamento de salários astronômicos a jogadores de qualidade duvidosa;

b. A planificação do elenco terá por meta grande parte dos jogadores oriunda da base com plano de carreira e salário estabelecido em contrato, contratações de “custo x benefício” e de midiáticos (atletas de projeção internacional e que deverão “se pagar” em grande parte por ações de marketing).

c. O trabalho sub-20 x profissional será totalmente integrado e, se detectarmos deficiências técnicas na BASE, contratações pontuais serão realizadas para o sub-20;

d. Fixaremos teto salarial e bonificação por meta para cada uma das categorias de jogadores citadas; a comissão técnica será permanente (o que não significa que será eterna) em todos os níveis valorizando a mescla entre juventude, identificação com o clube e experiência, inclusive internacional. Vemos com bons olhos a contratação de profissionais da área técnica oriundos de outros países;

e. Priorizaremos a construção, via legislação de incentivo e parcerias, do mais moderno Centro de Formação de Atletas de Futebol (BASE) do País, com CT, piscinas, alimentação, alojamento, DM, psicologia, escolas etc.

OUTROS ESPORTES

a. Daremos efetivo apoio às modalidades olímpicas mais identificadas com o clube e com a cidade. Esportes aquáticos como o surfe e a natação e de pedestrianismo como as corridas de rua, maratona e triatlo;

b. O Santos estimulará atletas profissionais a competirem pela nossa marca e disponibilizará estrutura, sempre em parceria com o Poder Público e com a iniciativa privada;

c. Reativaremos o futebol feminino, com apoio público e da iniciativa privada. Protagonizaremos a criação ou expansão de ligas existentes envolvendo universidades;

d. Reativaremos o FUTSAL, como política de surgimento de valores, inclusive em categorias de base, com patrocínio e convênios com iniciativa privada e/ou pública.

MARKETING, COMUNICAÇÃO E HOSPITALIDADE

O Santos é o clube de menor rejeição entre os grandes do País. Sua rica trajetória de conquistas no Brasil e no exterior, de futebol jogado com arte, craques memoráveis, inestimáveis serviços prestados à Seleção Brasileira e a proeza de ter mantido, durante 18 anos, o melhor jogador de futebol de todos os tempos, o nosso querido Rei Pelé, faz dele o time ideal para a divulgação de empresas de produtos e serviços de qualidade, voltados a um público que é o de melhor poder aquisitivo entre os aficionados de futebol.

O santista provavelmente é o torcedor de maior cultura do futebol, pois é aquele que mais conhece a história de seu clube e do futebol brasileiro, e também o que mais valoriza o estilo bonito e ofensivo de jogar. Hoje, porém, ele faz parte de um mercado que não vem sendo bem atendido pelo marketing do clube.

Teremos um canal aberto com o sócio e o torcedor, e daremos ao setor de imprensa os meios e uma tecnologia capaz de aprimorar o contato dos jornalistas com o clube e, com isso, garantir mais espaço para o Santos na mídia. Em linhas gerais, nosso trabalho nessa área oferecerá, ainda:

a) Ênfase à hospitalidade que é a área diretamente responsável por tudo relacionado ao recebimento de público, estádios, sócio torcedor etc.

b) Retomada do programa de sócios. O que é estratégico, o que é vital, não se terceiriza. O programa de sócios será retomado de modo inclusivo, popular, não hierarquizante, inclusive praticando faixas diferenciadas de valores aos sócios residentes em locais distantes a partir de 200 km da sede do clube;

c) Estímulo à criação dos “consulados” no País, e as “embaixadas” em Brasília e no exterior;

d) Criação do portal exclusivo para vendas de ingressos, com prioridade para os sócios, com pagamento em cartões de crédito e débito online (todos os cartões de crédito e bancos), disponível inclusive para os não sócios;

e) Promoção de amplo debate em torno da construção de uma nova Arena Multiuso. As novas arenas são uma realidade no Brasil e no mundo. Em pouco tempo, ter como única opção a Vila Belmiro inviabilizará o clube. A próxima gestão tem por obrigação encaminhar essa discussão e, mais que isso, o projeto.

f) Estimular a utilização do Estádio do Pacaembu em São Paulo, visando aumento de torcida e de receitas;

g) Transformação da Vila Belmiro em arena de atrações e em centro da história do clube, envolvendo inclusive a Prefeitura de Santos. A ida à Vila deve ser tratada como experiência única a cada jogo. Reformar e readequar o uso da Vila Belmiro, preparando-a para o centenário de 2016. Mais que um estádio, um TEMPLO do futebol, um templo POPULAR e não excludente;

h) Reposicionamento da marca Santos Futebol Clube no Brasil e no exterior. Criar uma verdadeira e aguda política de licenciamento. Internacionalizar será palavra de ordem, inclusive com a possibilidade de criação de escritórios nos EUA e na Europa;

i) Apoio e isenção, com critério, de toda e qualquer ação cultural que envolva a glória santista (filmes, livros, teatros, eventos, museus);

j) Ter patrocinadores para propriedades além do uniforme. Desmistificar a questão do patrocínio máster. Estimular ações de ativação, mostrar o caminho aos nossos parceiros, exposição pura e simples não gera riqueza. Marketing não é venda. Cabe ao clube criar produtos, desenvolver novas propriedades. Isso feito, o mercado se encarrega de vender e comprar. Nossas regras serão muito CLARAS a esse respeito.

CONSELHO DELIBERATIVO: INCENTIVAR A RENOVAÇÃO E REPRESENTATIVIDADE A CAMINHO DA DEMOCRACIA

Defendemos um conselho atuante, participativo e consciente da sua importância para o clube.

Nossa chapa será composta, em sua maioria, por conselheiros novos. Sem preconceito e sem desprezar jamais a experiência dos demais;

Queremos também, além da renovação, contemplar minorias na gestão do clube. Queremos o associado de longe e sabemos que alguns podem dispor de recursos para estar em Santos nas reuniões. E, democraticamente, incentivaremos a eleição de mulheres no CD;

Todos os nomes de nossa chapa sabem do papel fiscalizador do CD e comprometem-se a apoiar os pontos desse programa mínimo, inclusive e principalmente naquilo que se refere às necessárias alterações estatutárias, cujo texto será enviado ao CD no 1º dia de seu mandato, e que será disponibilizado ao associado antes da eleição, para que ele não represente qualquer surpresa (significando que o associado que votar em José Carlos Peres apoia as alterações estatutárias sugeridas);

Isso tudo, bem o sabemos, não esgota o rol de ações a tomar. É um início. Vamos consolidar este plano de gestão, certamente acrescentando novas ações, caso nossa chapa tenha a felicidade de vencer o pleito de dezembro. Pois não queremos impor nada. Pretendemos que as ações importantes para a vida do clube sejam decididas com a participação de nossos conselheiros, dos associados e torcedores em geral.

Ao final do nosso mandato, esperamos entregar, em 2017, um SANTOS preparado para exercer o seu papel de protagonista na história do futebol, como é e sempre foi o objetivo de todo santista. Se há mais de 50 anos, com muito menos recursos, o Santos conquistou o mundo, por que hoje vamos nos contentar em fazer figuração em competições que já ganhamos inúmeras vezes, como o Campeonato Brasileiro?

O Santos tem a sorte de ter torcedores de altíssimo nível intelectual e moral, capazes de assumir os destinos do clube em gestões futuras. Essa também é uma preocupação que temos, a de tornar o terreno propício para o surgimento de lideranças que mantenham o clube no caminho da ética e da competência. Pessoas que não estejam interessadas no que o Santos pode fazer por elas, mas sim no que elas podem fazer pelo nosso Santos. Seu voto é importante. Sua participação é essencial. Com você ao nosso lado, estaremos sempre em boa companhia.

A hora é de mudança. Pra valer!

José Carlos Peres

AMPLIAÇÃO DE PROPOSTAS

Não há a menor pretensão em se esgotar os nossos programas, mesmo porque o que publicamos também veio da massa santista, sendo assim estamos certos de que novas e diversas ações surgirão a partir da leitura deste programa, a ideia é, juntos, ampliarmos estas propostas, desde que tangíveis no aspecto de execução.

Envio de sugestões, ideias, projetos e colaboração em geral: jcperes@jcperes.com.br